Blockchain pode reduzir custos com estoques?

A máxima na gestão de estoques ensina que “formar estoques é um mal necessário”.

O excesso é danoso ao negócio, mas se faltar a coisa fica bem pior.

A necessidade de se formar estoques de mercadorias ou matérias primas se dá pelas incertezas geradas na cadeia de suprimentos, onde estes são usados para garantir a execução das etapas produtivas e/ou do consumo da cadeia caso o fornecimento planejado venha a falhar. Há outras decisões de negócio que colaboram para formação de estoques ligadas à lançamentos de novos produtos, ofertas programadas, gestão de preços e especulação. Mas quando a gestão falha ou a estratégia não funciona, surgem custos indesejados, impactos negativos na margem e/ou até perda de vendas.

Os sistemas e tecnologias de planejamento de demanda, gestão de estoques e planejamento da produção tentam há decadas evitar os excessos e faltas, fazendo uso de modelos estatísticos e equações complexas. Nesse contexto, um importante fator levado em conta nas formulações de demanda é o chamado “forecast error” ou “erro de previsão de vendas”, que tenta traduzir o percentual de incerteza que existe no processo de venda.

Outros fatores ligados aos tempos gastos na reposição (preparação e aprovação de pedidos, trânsito físico das mercadorias, manipulação nos centros de distribuição, burocracias fiscais e alfandegárias) quando multiplicados pela demanda diária prevista e somadas ao estoque de segurança, projetam o estoque de cobertura, necessário para a operação regular da cadeia de suprimentos. Assim, quanto menor for a confiança e conhecimento que se tem das partes envolvidas e da operação, maior será a proteção colocada em forma de estoques.
Blockchain propõe aumentar a confiança e conhecimento sobre a operação de ponta-a-ponta, trazendo ampla participação com mais qualidade e sincronização das informações, maior agilidade para mudanças, maior confiança e menos riscos. Menos incerteza traz como resultado menos estoque.

Para que o modelo de negócio utilizando Blockchain realmente funcione serão necessárias algumas condições:

Primeiro: #todosvencemjuntos

O engajamento da empresa-cliente/consumidor, com seus fornecedores, parceiros financeiros e logísticos, bem como entidades governamentais, de certificação de qualidade, de operação de TI, Provedores de Redes de EDI, etc; colaboram para que cada transação tenha o nivel de exatidão e comprometimento esperado pelas partes. Pelo Blockchain todos “falam a verdade” em cada transação ou “bloco” e essa verdade é única e conhecida por todos, que só têm a ganhar nesse processo. Se a estratégia não considerar essa premissa, não há como aproveitar o Blockchain de forma efetiva.

Esse engajamento não é apenas “burocrático” entre as empresas, mas sim uma transformação deve ser implementada nos processos de negócios das empresas e abraçado por todos os departamentos da cada uma delas, que se falam diretamente e sem intermediários pelos “blocos” do Blockchain – financeiro com financeiro, bancos com compras, logistica com transportador, vendas com logistica, logistica com produção; etc.

A confiança entre as pessoas das empresas é a chave para o sucesso do Blockchain, e o Blockchain em si é a garantia de que todas falam a verdade, seja ela boa ou ruim para o negócio. Em situações de crise ou erros (e é verdade que eles vão acontecer), a confiança mútua cria condições ideais para resolver problemas com menores perdas para todos.

Segundo: Verdade só tem uma

Uma transação reproduz um acordo feito pelas partes, e só deve ser modificada com o consenso das demais, ou pelo menos das partes sensíveis. E se modificada, deve ser conhecida e aceita por todos os envolvidos, o mais breve possível, e já que estamos na era digital, em tempo real.

Grande parcela de falhas na cadeia logística ocorrem por falha na comunicação de cadastros de clientes e produtos, ora desatualizados, incorretos ou inexistentes. Isso é causado em geral pela complexidade dos sistemas de gestão empresarial adotados pelas empresas (“ERPs”), pela falta de integração desses sistemas com as demais ferramentas e aplicações que complementam as funções não realizadas pelo ERP e ainda com os outros parceiros da cadeia logística. O despreparo das pessoas na sua operação contribuem para o caos que vemos hoje em várias organizações e nos processos de negócio.

Apesar dos esforços de entidades de classe para catalogar códigos de produtos (ex. EAN, UPC) e criar mecanismos de intercâmbio de dados (ex. EDI) as falhas ocorrem pois cada empresa opera do seu modo, usa sistemas, adotam políticas e controles próprios, onde a tradução dessas informações entre as empresas quando existem nem sempre funcionam direito.

Muitas das causas de ruptura de estoques em centros de distribuição e almoxarifados industriais ocorrem por conta de pedidos colocados no fornecedor que simplesmente não chegam, pois o pedido estava parado, pois tinha um dos itens “bloqueado ou cancelado” e pela regra comercial o pedido não poderia ser atendido parcialmente. E ninguem avisou!

Blockchain permite a criação de “contratos padronizados”, que todos adotam e atualizam mantendo neles uma base de cadastros única. Assim, se a empresa responsável pelo fornecimento de um produto promove uma mudança de especificação ou coloca o produto num processo de descontinuação em seu sistema, o bloco de dados no Blockchain irá imediatamente refletir isso, todas as partes ficam sabendo e regras de negócio pré-programadas podem atuar alertando de forma automática eventuais trocas de produto e ajustes nas transações a ele associadas. Esse mesmo conceito se aplica a preços, dados logísticos, status de entrega, ocorrências em processos produtivos, entraves burocráticos, fiscais e juridicos.

Blockchain obviamente irá preservar “segredos” comerciais entre as partes envolvidas, fruto de negociações, práticas de concorrência e acordos que dizem respeito a dois ou mais parceiros, sem afetar os demais e as práticas de transparência na rede.

Terceiro: Dinheiro na mão, mercadoria no chão.

Uma mercadoria em geral se movimenta fisicamente dentro da cadeia de suprimentos tão rápida e eficientemente tanto quanto a informação e o dinheiro à ela associados. Em outras palavras, se um fornecedor recebe um pedido firme do cliente, com a garantia de receber o pagamento tão logo a mercadoria chegue no destino, ele fará de tudo para que isso ocorra o mais rápido e correto possível. Numa situação inversa, se a empresa pagadora não tem informação que o produto encomendado chegará na data combinada e o histórico mostra alguma ineficiência, ela não irá se comprometer em pagar na data combinada, e isso em geral é colocado como “prazo” de proteção, encarecendo o custo da operação e provocando atrasos aceitos naturalmente pelos operadores. O banco terá que esperar o “ok” definitivo para processar o pagamento e eventuais adiantamentos ou descontos de duplicatas acabam custando bem mais do que o permissível.

Pedidos bloqueados por crédito são uma das causas mais comuns de atraso no despacho de mercadorias, que estão prontas para embarque, mas que não seguem pela falta de garantias.

O Blockchain dá visibilidade e sincronicidade para a transação, onde cada bloco mostra as etapas do fluxo acontecendo em tempo “real” e em todos os seus aspectos e mudanças que venham a ocorrer, sejam do produto e qualidade, comerciais, financeiros, documentais, logisticos e jurídicos.

Desafios da adoção e Benefícios

No curto prazo, a padronização e sincronização das etapas da cadeia logística promovidas pelo Blockchain integrado aos Sistemas de Gestão das Empresas tem tornado a tomada de decisão bem mais rápida e acertada, encorajando mais e mais empresas a buscar mais agilidade e coragem para se transformar.

Contudo, o resultado prático nos níveis de estoques não são fáceis de se verificar, pois as empresas carecem de processos, regras e ferramentas adequadas de planejamento e gestão de demanda e de estoques que sejam capazes de separar com exatidão o que foi fruto de uma “evento isolado” de compras ou foi devido à reparametrização dinâmica de sistemas de reposição modificados com dados e usos do Blockchain.

No médio e longo prazos (que ainda está por vir) os benefícios serão notados pela qualidade medida nos níveis de serviços, refletidos na maior qualidade no cadastro, no cumprimento de prazos, menor nível de cancelamentos de pedidos, menores índices de desvio das previsão de vendas, menos rupturas e consequentemente menos estoques.

Por Paulo Eduardo Corazza

Deixe seu comentário