11 Dicas Para Manter Os Custos Otimizados Com a Logística

Redução de Custos Com Logística

A gestão logística é fundamental para o sucesso de um negócio. Ela deve ser bem planejada, executada e controlada.

As boas práticas do setor devem ser adotadas pelos líderes empresariais para auxiliar na redução de custos, seja para uma empresa física ou online.

No artigo de hoje separamos 11 Dicas que podem contribuir no alcance deste objetivo. Boa leitura!

Conceitos Básicos De Logística

1. Desenvolva estratégias eficientes

Desenvolver rotinas mais eficientes e estratégicas que são uma necessidade constante nas atividades de qualquer gestor que deseja reduzir os custos logísticos do negócio.

Porém, para atingir esse ponto é essencial parar para racionalizar todos os processos envolvidos. Por exemplo: remessas que deveriam ir juntas são enviadas de forma separada para uma mesma região, em razão de atrasos ou outros problemas. Esse tipo de situação acaba gerando gastos desnecessários que poderiam ser facilmente evitados.

Outro exemplo: é comum que os veículos de carga iniciem o transporte com capacidade abaixo do limite. Isso causa aumento no número de viagens e, consequentemente, nos custos, já que mais viagens serão realizadas.

Fazer pequenos ajustes estratégicos como a elaboração de novas rotas, planejamento de pontos de carga e descarga de mercadorias, podem reduzir significativamente os custos com transporte.

2. Conheça os custos logísticos do seu negócio

A logística abrange diversas atividades, como: armazenamento, movimentação de materiais, estoque e transporte. É extremamente importante conhecer quais são estes gastos, pois isso exerce uma grande ajuda na tomada de decisões. Dessa forma, pode-se realizar um comparativo entre custos e orçamento, que ajuda a identificar pontos de desequilíbrio, que precisam de atenção e como direcionar as ações de redução. Além disso, a definição de metas torna-se mais eficaz, facilitando o acompanhamento dos resultados.

3. Racionalize as rotinas de entrega

Utilize um bom sistema de suporte, para gerenciar o tráfego dos itens. Isso evita a ocorrência de diversos erros que resultam em gastos, como despachar separadamente produtos que fazem parte da mesma compra (como já exemplificamos na dica 1) ou enviar pedidos trocados, por exemplo. Além disso, a utilização de uma ferramenta voltada para a elaboração de rotas pode ajudar a encontrar e definir quais são os percursos mais eficientes para as entregas, considerando o volume das cargas, os pontos de distribuição, o gasto de combustível etc.

4. Mantenha contato com diversas transportadoras

É recomendado possuir variadas opções de transportadoras para não ficar preso aos preços e condições de apenas uma. Isso permite que se negocie preços melhores, regiões de entrega mais interessantes e maior flexibilidade no volume de cargas. Possibilita também um melhor atendimento das necessidades do cliente, com variadas condições de frete e preços mais atrativos.

5. Considere formas de entrega alternativas

Dependendo das circunstâncias de entrega, como produtos de menor volume, torna-se mais lucrativo realizar o frete por meio de um modal alternativo. Existem diversas opções: carros menores, motos e, inclusive, bikes! Optar por meios alternativos pode ser uma maneira inteligente de reduzir os custos logísticos.

6. Utilize a tecnologia em seu favor

A tecnologia existe para facilitar nosso dia a dia. Nas empresas, isso não é diferente, muito menos no setor logístico. Investir em soluções tecnológicas pode trazer diversos benefícios como: redução de custos e desperdícios, mais agilidade nas entregas e melhorias nos produtos. Existem diversas soluções que podem ajudar a aprimorar a gestão logística e a diminuir os gastos. Leia também: Automação em Supply Chain: 7 motivos para implantar.

7. Monitore os contratos de frete

Depois do planejamento e da execução, uma etapa muito importante é o controle. Só assim é possível identificar o que está dando certo ou errado; as falhas, os lucros, os prejuízos, entre outros aspectos fundamentais para o sucesso do negócio. Desta forma, pode-se analisar a situação atual da empresa, o que permite maior facilidade na tomada de decisões e na formulação de estratégias mais eficientes.

8. Invista na terceirização logística

Uma recomendação é avaliar a possibilidade de uma logística terceirizada. Atualmente, há no mercado uma grande variedade de empresas que oferecem estes serviços. É importante escolher a mais adequada aos interesses e necessidades da sua organização. A terceirização gera diversas consequências positivas, como simplificação dos processos da empresa, melhorias na experiência do cliente e, principalmente, redução de custos logísticos.

9. Atenção à previsão de demanda

A previsão de demanda pode ser realizada com base nos dados da área comercial e da gestão de estoques. Ao cruzar essas informações, torna-se possível criar estimativas de qual será a procura dos clientes nos próximos períodos e organizar a aquisição de novos produtos. Assim, a composição do estoque passa a se basear na realidade do negócio, evitando problemas como faltas, excessos e desperdícios. Tudo isso influencia diretamente nos custos operacionais, na redução de perdas e prejuízos e na otimização do gasto do capital de giro da empresa.

10. Aplique a curva ABC na gestão de estoque

A curva ABC é um método de análise de estoque que classifica os itens por relevância de custos e de acordo com o impacto que estes causam no faturamento, no lucro e no giro. Grupo A: os produtos dessa classe costumam ter maior valor agregado, o que significa que a maior parte do faturamento (Normalmente com mais de 70% do faturamento), e possuem uma pequena quantidade de itens (normalmente cerca de 20%, ou menos), que devem ter um giro alto, e uma gestão bem focada neste itens. Grupo B: são os itens que representam cerca de 20% do faturamento e normalmente uma pequena quantidade de itens (cerca de 30%). Grupo. Grupo C: são os produtos de baixo valor (de 5 a 10% do faturamento), mas que são necessários para atender a procura de alguns clientes (normalmente em torno de 50% dos itens). Por meio dessa divisão, fica mais fácil identificar a composição ideal do estoque e evitar problemas como obsolescência, altos custos de manutenção de estoque e prejuízos com a aquisição de itens que ficarão parados.

11. Acompanhe indicadores de desempenho

Os Indicadores de Desempenho ou KPIs (Key Performance Indicators) são cruciais para que empresas acompanhem o desenvolvimento do negócio. Existem diversos índices que podem ser monitorados para diversos fins, como o nível de satisfação do cliente e o número de reclamações.

Contudo, para promover a eficiência e a redução de custos logísticos, não é necessário medir todos os KPIs que existem, mas saber monitorar os indicadores certos que vão, de fato, contribuir para a criação de um plano de otimização de recursos. Alguns dados que valem a pena ser acompanhados de perto são:

  • custo médio por viagem;
  • consumo de combustível;
  • custo com manutenções preventivas e corretivas;
  • índice de depreciação dos veículos;
  • sinistros;
  • índice de multas.

Os indicadores de performance são um importante termômetro que ajudam gestores a encontrar falhas operacionais. Com base nos resultados que eles apresentam, é possível realizar uma redução de custos inteligente, na qual gastos desnecessários são cortados e a eficiência é redobrada.

Dica bônus: invista em consultoria para redução de custos.

O trabalho da consultoria para redução de custos é mensurar todas as etapas do funcionamento e cadeia de valor de uma empresa e identificar que áreas podem sofrer cortes, sem comprometer o seu desempenho, imagem e eficiência na prestação de serviços. A Deverhum Consulting é formada por profissionais de larga experiência em soluções em Supply Chain e oferece modelos de consultoria e treinamentos para redução de custos logísticos para empresas de diversos segmentos do mercado. Clique aqui para solicitar mais informações.

Deixe seu comentário

%d blogueiros gostam disto: