Digitalização de Compras: uma nova proposta de valor

Na carona no Supply Chain 4.0 a área de compras surge com o termo “Procurement 4.0”. O conceito por trás desse título busca impulsionar os principais agentes de compras para repensarem o valor agregado pela função compras dentro das organizações.

Com as novas oportunidades oferecidas pela digitalização e grandes dados, as fronteiras organizacionais tradicionais entre pesquisa e desenvolvimento, fabricação, compras e, em alguns casos, toda a cadeia de suprimentos ser tornarão cada vez mais disperso.

A divisão de compras, como principal proprietário da interface do fornecedor, pode manter – e até aumentar – a sua proposição de valor distintivo dentro da empresa, aproveitando algumas dessas novas oportunidades. Ele pode criar novos modelos de negócios para si próprio e passar de ser um centro de custo para um centro de lucro. Isso é possível porque a aquisição possui know-how estratégico sobre fornecedores e seus mercados e uma experiência profunda sobre os bens e serviços que são adquiridos, bem como as alternativas em oferta, incluindo inovações emergentes. Todo esse conhecimento representa um bem que ganha um enorme valor no mercado de hoje.

Além disso, as aquisições podem usar seus valiosos dados de clientes para gerenciar melhor os fluxos de transporte, inventários, requisitos de armazém, inspeções de qualidade e outras partes da cadeia de suprimentos. As organizações de compras capazes podem fornecer este valor, não só internamente, para outras funções, mas também externamente, para fornecedores e clientes. Eles também podem monetizar seus aplicativos de campo e dados de uso do cliente vendendo de volta aos fornecedores. Esses fornecedores poderiam, por sua vez, usar essas informações adicionais sobre seus produtos para gerar mais especificações e aplicativos orientados para o destino, levando em última instância ao design de mais produtos eficientes em termos de custo e eficiência.

Categorias do universo digital e aquisição de serviços especializados

As novas tecnologias levarão a novas necessidades de negócios, o que se refletirá em novos requisitos para o departamento de compras. Um desses requisitos será capturar, analisar e atuar em dados em tempo real, uma atividade no coração da Indústria 4.0. Cada vez mais, os dados chave serão registrados usando sensores, analisados ​​em tempo real e transformados em ações por atuadores e outros dispositivos, sendo disponibilizados em tempo real para parceiros de cadeia de valor. Além disso, as pessoas, os objetos e os sistemas serão cada vez mais conectados através de comunicação de dados, transformando cadeias de valor em “redes de valor” maiores – conjuntos de conexões entre organizações e indivíduos que interagem uns com os outros para beneficiar todo o grupo. Para aquisição, isso significará principalmente que certos itens, como sensores inteligentes, atuadores de comunicação e controladores e software associados, serão obtidos com muita freqüência do que antes. Certas categorias de itens, como eletrônicos, crescerão, enquanto outras podem encolher e até desaparecer.

Não só as empresas mudam o que compram, pois incorporam o Procurement 4.0, mas, mais importante, também mudarão as formas em que eles compram. A compra de serviços aumentará dramaticamente, por exemplo, levando à necessidade de muitas abordagens de contratação novas e diferentes para garantir que as empresas recebam o melhor valor para o seu dinheiro. Além disso, haverá muitas implicações de propriedade intelectual – para não mencionar questões regulatórias – em torno da propriedade dos dados coletados pelos sensores quando os produtos finais são vendidos e em uso. Quem possui os direitos sobre esses dados? O fornecedor do sensor? O sistema de controle e o provedor de software? O integrador de produtos que vendeu o produto ao cliente? Ou o próprio cliente?

Cadeia de fornecimento digital e gerenciamento de fornecedores

É um sonho de fabricação para as idades: a capacidade de integrar todos os dados de clientes, distribuidores, produção cativa e fornecedores em tempo real para otimizar o desempenho da cadeia de suprimentos – reduzindo assim o tempo de entrega e os custos de frete e estoque, melhorando a experiência do cliente e até mesmo o desempenho do fornecedor. A partir de 2016, é claro que esse sonho não será realizado por grandes provedores centrados em ERP. Em vez disso, uma série de provedores especializados ágiles, como a Kinaxis e a Elementum, integrarão ERP, sistemas de execução de fabricação e dados de fabricação e logística de todos os parceiros de uma determinada cadeia de valor. À medida que esta integração de dados da Procurement 4.0 ocorre, as aquisições desempenharão um papel fundamental na obtenção de fornecedores a bordo e na otimização da cadeia de fornecimento de ponta a ponta.

A integração de dados também irá alterar substancialmente a gestão de fornecedores. Um bom exemplo – um de muitos – é o gerenciamento de risco do fornecedor. As empresas poderão empregar grandes análises de dados, considerando quantidades enormes de dados de clientes, financeiros e externos – desde o tempo todo até classificações de crédito – para prever mudanças nas classificações de risco. Eles terão a opção adicional de alimentar mudanças nas classificações de crédito automaticamente no sistema de gerenciamento de risco do fornecedor.

Utilização inovadora de dados de aquisição

A análise de dados provavelmente é o facilitador mais importante para o Procurement 4.0. Tecnologias inteligentes e algoritmos permitem que grandes volumes de dados de muitas fontes heterogêneas sejam agregados, processados ​​e analisados. As análises resultantes podem ser usadas para entender fornecedores, mercados e clientes; prever as tendências do mercado; e examine as falhas de máquinas e produtos. Eles podem permitir que os empregadores tomem decisões melhores e mais informadas. E, em alguns casos, eles podem gerar decisões de compras automaticamente.

Analisar dados e usá-lo inteligentemente é, portanto, um dos principais fatores de sucesso para as empresas que desejam aproveitar o potencial do Procurement 4.0. Conforme observado anteriormente, por exemplo, os fornecedores podem ser fornecidos com análise de dados de aplicação de campo para melhorar o design e o desempenho de seus produtos. Informações preditivas sobre onde e quando esperar a próxima falha oferecerão a oportunidade de otimizar os serviços de manutenção e a disponibilidade de peças sobressalentes.

Será responsabilidade das aquisições garantir que todas as oportunidades oferecidas à empresa através da análise de dados importantes sejam maximizadas, trabalhando com fornecedores para permitir que a empresa e o fornecedor se beneficiem das melhorias resultantes na eficiência da cadeia de suprimentos.

Processos e ferramentas digitais

As tecnologias digitais ajudarão a aumentar a colaboração, a análise e o engajamento usando um leque de ferramentas ao longo de toda a cadeia de valor de aquisição, desde o planejamento e o abastecimento até negociações de contratos, entrega de pedidos, pagamento e gerenciamento de fornecedores. Essas tecnologias variam muito em seu impacto e na atual maturidade tecnológica, de modo que as empresas precisam examinar atentamente as duas condições, na medida em que definem uma estratégia de arquitetura de TI que especificará os processos que eles querem apoiar e as ferramentas que eles querem usar, com base em uma mapa rodoviário predefinido. Seja qual for a estratégia, acreditamos que os processos de aquisição digital “devem ter” incluem pedidos digitais de cotações, análise financeira de fornecedores, análise de risco de aquisição, assinaturas eletrônicas e verificação, e colaboração de rede de compras digitais.

Note que investir em novas ferramentas digitais é um meio para um fim – e não o próprio final. Idealmente, esse investimento levará a processos digitalmente automatizados, mesmo além da compra / pagamento transacional, com apenas um suporte manual limitado necessário. Tais ferramentas e processos digitais, além disso, apoiarão a terceirização de processos empresariais e os centros de serviços compartilhados, aumentando ainda mais a eficiência. Em última análise, no entanto, os benefícios irão surgir não apenas da redução de custos, mas também da liberação de recursos de aquisição altamente qualificados de tarefas mundanas e repetitivas para que eles possam se concentrar em oferecer valor ao negócio.

Organização e competências

É claro que os cinco primeiros elementos da estrutura – mesmo que nem todos sejam relevantes para todas as empresas – representam uma tremenda mudança na forma de trabalhar o processo de compras que exigem um “repensar” fundamental em relação à organização e suas capacidades, ou seja, ambas precisarão ser reformuladas ao longo do tempo. As empresas precisarão criar novos perfis de trabalho, por exemplo, seja para compradores de novas categorias de itens, especialistas contratados com propriedade intelectual ou cientistas de dados para manutenção, análise e mineração de dados. Para encontrar esse talento, novas fontes devem ser desbloqueadas com a ajuda de parceiros de cooperação de compras, tais como programas de parcerias universitárias e centros de pesquisa, além de redes sociais ou contratações “bumerangue” – funcionários de alto desempenho recontratados depois de alguns anos ausência. As maiores empresas devem considerar o estabelecimento de suas próprias academias de compras para realizar webinars, treinamento inter-funcional e oficinas de fornecedores. Somente se o pessoal de compras tiver capacidade digital, a empresa pode se beneficiar plenamente das oportunidades oferecidas por meio da digitalização.

Além disso, a digitalização aumentará a globalização e acelerará as comunicações em um mundo cada vez mais conectado. Embora já tenha sido suficiente para ter conhecimento de certos mercados fornecedores, como a China e a Europa Oriental, a Procurement 4.0 exigirá uma organização verdadeiramente global. Por exemplo, ter o núcleo da organização de compras hospedada na sede pode ter funcionado no passado, mas, para o futuro, cada vez mais compradores precisam estar localizados nos mercados de suprimentos mais competitivos para cada categoria.

Conclusão

A introdução do Procurement 4.0 significará desenvolver novas proposições de valor, atender às novas necessidades do negócio e integrar dados em funções e cadeias de valor. Ele exigirá a utilização desses dados de forma proativa e inteligente, ao mesmo tempo em que apresenta processos e ferramentas digitais. Talvez o mais importante, exigirá a remodelação fundamental da organização de compras e suas capacidades para enfrentar os desafios e as oportunidades da expansão da revolução digital global.

Deixe seu comentário