Crise e Desperdícios: O que a história diz sobre esses dois temas

Quando falamos em crise e em desperdício nos referimos a dois processos que podem estar relacionados.

Quando falamos em “crise” estamos indicando um ciclo de escassez de matéria-prima, produto, fluxo produtivo, queda de receita e ausência de oportunidade, ela pode ser cíclica combinando situações de contração e expansão.

Já o "desperdício" está atrelado ao ato de gastar determinada fonte ou bem em excesso, gerando ambiente de esbanjamento, falta de aproveitamento sustentável causando perda de energia, fluxo e bem.

Crise e desperdícios

Geralmente, empresas e governos precisam refletir profundamente sobre os impactos de seus projetos, dos cenários externos e das demais condicionantes para se protegerem de períodos de escassez e reduzir a perda de insumos e de produtos.

Sabemos que desperdiçar gera perdas, e cada tipo de perda gera custos, comprometendo a qualidade final do produto e serviço a ser produzido.

Existem vários métodos para aplicar no processo de gestão e produção de uma empresa para verificação e geração de uma produção livre de perdas e protegida de ameaças de oscilação de mercados.

A história

A crise de 1929, marcada pelo subconsumo, e a crise do petróleo dos anos 1970 marcaram as economias mundiais. A ocorrida em 1929, abriria caminhos para repensar os fluxos de produção e evitar produzir muito acima da real demanda.

Por outro lado, a situação gerada pelas principais produtoras de petróleo nos anos 1970 ensinaria o mundo a não depender somente do “ouro negro” para ativar a economia e manter a produção de energia.

Na economia

Quando, além de um ciclo, a crise se torna crônica e longe de ser superada, é importante que países e empresas se dediquem para a aplicação de projetos de ajustes e de revisão de custos e de investimentos.

Esse momento de retração é visto como “natural”, porém pode se aprofundar em casos de economias despreparadas ou menos expressivas.

De todo modo, é registrado e percebido a queda de atividades econômicas a começar pelo consumo médio da população, elevação de preços de itens essenciais e redução da oferta de potenciais produtos.

Geralmente, o período de retração pode ser identificado também com a queda contínua de demanda e menor geração de lucro. Consequentemente, verificamos a demissão de funcionários e a baixa nos investimentos a curto e médio prazo.

Superando as perdas

Enxergar a formação de novos mercados e demandas é essencial para ajudar na recuperação de cenários econômicos, de empresas e na formação de empregos.

Geralmente, é importante que os governos locais de cada país saiba decidir por políticas de desenvolvimento e de recuperação.

As empresas, por sua vez, necessitam desenvolver novas soluções para reduzir custos e baratear seus produtos que apresentam real entrada de mercado.

Portanto, entre o ato de desperdiçar em tempos de crescimento pleno poderá gerar ciclos futuros de retração que comprometerão postos de trabalho e toda a estrutura do mercado de consumo.

Ter capacidade analítica para sobreviver em diferentes tipos de mercados é sempre um importante diferencial.

Veja também: [Infográfico] Os 7 Desperdícios do Lean

Deixe seu comentário

%d blogueiros gostam disto: