Atacado de Embalagens: 3 dicas de Praticidade e Redução de Custos

O atacado de embalagens tem sido impulsionado, principalmente, pelo aumento da demanda do delivery que cresceu bastante durante a pandemia. Para os produtores e revendedores é essencial selecionar corretamente o tipo de material e os custos de cada tipo de embalagem a ser utilizada.

O Alto consumo de embalagens

No mercado de fast food (comida rápida) a demanda por caixinhas para transportar batatinhas, sanduíches leves e utensílios para a refeição cresceu bastante intensificando a impressão padronizada da marca dos restaurantes sobre o material da embalagem e o modo de organizar os alimentos para a entrega.

Somente no mercado de fast food a demanda se deve também à popularização de aplicativos de pedidos como iFood e Uber Eats. Mas, devemos também ressaltar o crescimento do uso de embalagens para produtos de cosméticos, vestuários e utilitários em geral.

Se você pretende vender através de uma loja virtual ou busca melhorar o processo de empacotamento de seus produtos, é fundamental selecionar a embalagem certa para cada tipo de logística.

Na maioria dos casos, a embalagem costuma ser de papel, plástico ou isopor, podendo variar a matéria-prima dependendo do peso e da especificação do produto.

O Atacado de embalagens

Neste artigo daremos mais dicas essenciais para orientar o empreendedor que precisa profissionalizar a sua logística de entrega e encantar o seu cliente final reduzindo custos e mantendo a qualidade.

1 – Invista em Embalagens de papel

Se a sua empresa procura por sustentabilidade, a dica é procurar por suportes de papel reciclado ou papel com origem certificada pela fabricante.

Sabemos que muitos empreendedores escolhem o plástico como “carro-chefe” para embalagem e processo de entrega, porém o plástico gera impactos mais negativos para o meio ambiente, permanecendo nos lixões, terrenos e nos rios por mais de 400 anos até se decompor por completo.

O papel pode levar menos de seis meses para se decompor, e mesmo assim deve ser descartado de maneira correta para otimizar o processo de reciclagem.

O papel como matéria-prima da embalagem oferece menores custos e é mais adaptável para entrega de alimentos leves, livros e revistas, medicamentos leves e documentos.

Quando falamos no papel, podemos incluir diferentes gramaturas, inclusive o papel fino e médio feito de papel bruto ou kraft. Vantagens do papel:

- O papel é mais customizável, ou seja, se adapta a qualquer tipo de produto e dobradura;

- É facilmente reciclado e permanece por menor tempo no ambiente;

- Custo inicial de investimento mais curto.

2 – Aposte no Vidro

Quando falamos em embalagem durável e que pode reduzir os impactos financeiros para a empresa e financeiro para o empreendedor, o vidro é uma boa dica.

Mas, cuidado, esse tipo de material é indicado para conter produtos mais pesados ou densos.

A embalagem de vidro é super indicada para bebidas, doces, itens de construção ou conserto como parafusos e pregos, e até mesmo para medicamentos e suplementos.

Em relação ao custo, o vidro não é muito indicado para o empreendedor que realiza produção e vendas sob demanda, é necessário que exista uma escala (estoque inicial) para reduzir os custos iniciais com esse tipo de embalagem.

3 – O Plástico

Como falamos anteriormente, o plástico é um grande vilão do meio ambiente, mas, por ser um material muito barato, o empreendedor pode procurar por opções sustentáveis como o plástico biodegradável (que se decompõe em seis meses) para utilizar em suas embalagens.

O plástico pode ser usado para proteger livros (shrink), caixinhas de cosméticos e suplementos, doces de menor porte, produtos como CD e DVD e entre outros.

Conclusão

Portanto, além das características do material, é importante avaliar o custo, a aceitação do cliente e o impacto ambiental que a embalagem poderá gerar na natureza.

Leia também: Tendências do Mercado de Embalagens Pós-Crise

Deixe seu comentário

%d blogueiros gostam disto: