Estradas

Conheça os principais desafios da Logística no Brasil

Cada vez mais as novas estratégias e tecnologias em logística ganham adeptos no Brasil e em outros países. Porém, muitas dificuldade e desafios ainda precisam ser superados.

Algumas das barreiras enfrentadas pelas empresas do setor, nos mais diferentes modais, são:

  • Infraestruturas precárias;
  • Processos administrativos burocráticos;
  • Pouca mão de obra especializada;
  • Alta tributação.

Mas os desafios não se resumem apenas ao transporte de cargas. Toda a cadeia de suprimentos é afetada, principalmente em processos internos como; planejamento de armazenagem, circulação e distribuição de produto.

Para poder otimizar processos, reduzir prazos e elevar a receita, é necessário que a empresa tenha profissionais tecnicamente capacitados e engajados aos objetivos da organização.

Separamos neste post os principais desafios enfrentados hoje da Logística nacional.

Gostou do tema? Então siga em frente!

Infraestrutura das estradas

O alto índice de acidentes constitui um dos principais desafios da logística e tem impacto tanto na conservação da frota como no atendimento dos prazos de entrega. O transporte de cargas no Brasil utiliza, em sua maioria, o modal rodoviário, o que sujeita as empresas a lidar com os custos da falta de conservação das estradas. Sua característica primária é a movimentação de cargas de diversos portes, como produtos agrícolas e minério, para regiões distantes. Porém, os obstáculos nas estradas aumentam na proporção de sua extensão. Para lidar com esse problema, as empresas podem limitar seu raio de entrega, evitando, assim, trafegar por vias em condições precárias. As manutenções preventivas são importantes para deixar os veículos preparados para circular por mais tempo.

Custos elevados

Outro dos principais desafios em trabalhar com logística no Brasil diz respeito aos recursos financeiros aplicados no custeio das operações. O país tem uma alta carga de tributos e, para trabalhar com transportes, um grande número de outras taxas são necessárias para manter o negócio funcionando.

Para a maioria dos gestores, é complexo encontrar soluções que permitam reduzir os custos de frete. O alto preço do combustível, as taxas e encargos, seguros de carga e manutenção dos veículos são os principais fatores que oneram significativamente os custos dos serviços.

Terceirização de serviços logísticos

Trabalhar em prol da redução de custos dentro das operações, deixando-as mais enxutas e eliminando gargalos e desperdícios é questão de sobrevivência para quem quer trabalhar com logística no Brasil. Neste sentido. um grande número de empresas está apostando na adoção da terceirização de operações logísticas.

As atividades logísticas trazem um grande ônus para as empresas, pois são operações caras, tanto com gastos de mão de obra quanto com equipamentos. Em paralelo, as questões logísticas devem ser tratadas de forma assertiva, oferecendo um alto nível de qualidade de serviço e segurança.

Ao contratar um terceiro, é preciso certificar-se da reputação deste fornecedor e se ele tem estrutura adequada para atender o nível de qualidade que o empreendedor quer oferecer aos seus clientes. O ideal é que essas condições estejam descritas em um contrato e que ambas as partes estejam de acordo com todos os requisitos.

Segurança no transporte

Um dos principais problemas causados por acidentes e roubos de carga é o elevado prejuízo econômico, que afeta toda a cadeia de suprimentos. Garantir que o processo de entrega seja concluído de maneira segura é primordial para o setor de transportes. Portanto, a conscientização e a prevenção minimizam os riscos dessas ocorrências. É preciso certificar-se de que os motoristas obedeçam à legislação de trânsito, evitem excesso de velocidade e não consumam bebidas alcoólicas. Além disso, seguir viagem em condições desgastantes, como durante a chuva e no período da noite, estão entre as principais causas de acidentes.

A transportadora também pode desempenhar seu papel e assegurar que o veículo esteja em boas condições de trafegar e que não seja carregado com excesso de peso. Em último caso, é possível optar por adquirir apólices de seguro, tanto para a carga quanto para o veículo, e garantir o seu ressarcimento em caso de sinistro.

Preocupação Socioambiental

O meio ambiente é um fator que está cada vez mais presente no planejamento estratégico das empresas. Seja por pressão da sociedade e do governo, seja pela consciência ambiental, possuir um sistema que tem ações efetivas de prevenção e proteção ao meio ambiente traz uma grande vantagem competitiva e destaca as empresas no mercado.

Por lei, as empresas são oficialmente responsáveis por destinar corretamente todo o resíduo que produz. E um ramo que gera muitos resíduos sólidos é o de transporte de cargas, o que aumenta os desafios na área.

Os empreendedores devem estar capacitados sobre as necessidades e obrigatoriedades legais e incluir o assunto no planejamento da empresa, tratando a logística reversa com a devida importância.

Organização dos estoques

O nível de eficiência obtido com a gestão do estoque pode se tornar tanto uma vantagem estratégica quanto um obstáculo. A localização e organização dos materiais, a distribuição do espaço e o arranjo das prateleiras impactam no andamento do processo. Remessas de pedidos incorretos, dificuldade no embarque e atrasos no envio das mercadorias são algumas das consequências observadas quando a gestão não dedica a atenção necessária a essa atividade.

Para corrigir essa situação, o layout de armazenagem deve ser criado para assegurar a movimentação de cargas, maquinários e funcionários de forma segura. Assim, é possível aproveitar melhor o espaço, reduzir os custos de estocagem e atender aos requisitos de cada produto.

Falta de profissionais capacitados

Para que uma operação logística tenha êxito, é essencial considerar a participação dos diversos agentes encarregados em desempenhar suas atividades no processo. A capacitação técnica e o treinamento especializado desses profissionais será um fator determinante para a evolução da empresa.

Empreendedores de todos os setores reconhecem que o capital intelectual das organizações pode ajudar a minimizar o impacto dos desafios em logística no Brasil. Por essa razão, a constante capacitação dos colaboradores, desde motoristas até gestores, é tão importante.

Análise e mensuração do Desempenho Operacional

A função do processo logístico de transportes é levar as mercadorias dos produtores até os clientes, por um preço viável. Neste sentido, é adequado dizer que o setor transportador configura uma necessidade básica para o mercado, pois a demanda dos clientes será sempre constante.

Os sistemas de informação utilizados são mecanismos que podem passar a gerenciar a cadeia de transporte de ponta a ponta, garantindo maior assertividade ao processo e permitindo controle por parte dos gestores. Além disso, existem diversas oportunidades para o desenvolvimento de modais de transporte pouco utilizados, que podem ser aplicados até mesmo ao processo de exportação.

Embora o conceito de desempenho possa ser empregado em diversas atividades, o acompanhamento da atividade logística se destaca por sua relevância. A dificuldade em criar indicadores capazes de retratar o real comportamento da área acaba desestimulando os gestores. Por outro lado, é necessário persistir e encontrar formas eficientes de mensurar as tarefas. Esse tipo de abordagem contribui para a identificação de problemas de natureza financeira, operacional e comercial, pois permite a criação de planos de ação correspondentes.Os gestores devem ter consciência da necessidade de monitoramento e controle, por intermédio da medição dos fatores de prazos de entrega, custos e níveis de estoque.

Trabalhar com logística no Brasil e conseguir alcançar o sucesso dependerá de diversos fatores. Se capacitar e ter interesse em entender como o mercado de transportes funciona, descobrir o que os clientes realmente enxergam como valor ao contratar o serviço e buscar entregá-lo é essencial para obter o êxito. O mercado vem apresentando diversas oportunidades e a tecnologia também está acompanhando as necessidades dos clientes do setor. Basta força de vontade e determinação para vencer tais desafios.

Diante dos principais desafios em logística no Brasil, o que você faz para enfrentá-los? Compartilhe conosco suas experiências deixando seu comentário logo abaixo!

Logística sente impactos do Coronavírus

Logística sente impactos do Coronavírus

Em Pernambuco, Suape e o Cone já mostram os efeitos da pandemia. Enquanto alguns setores têm queda, em outros a movimentação cresce

Por: Matheus Jatobá em 18/04/20 às 08H30, atualizado em 17/04/20 às 20H06

A crise provocada pela pandemia da Covid-19 está dividindo o setor de logística. Parte das empresas conseguem ainda atuar de forma normal, mas respeitando os cuidados, enquanto outro lado teme pelos meses que estão por vir por conta das dificuldades de operar e pela queda em outros setores da economia.

Em Pernambuco, equipamentos como o Complexo Portuário de Suape e o Condomínio de Negócios Multimodal (Cone) já sentem impactos diretos em suas operações logística, com aumento e redução em alguns pontos, e já se adaptando para uma nova atuação.

Em Suape, os três primeiros meses do ano foram positivos, com uma movimentação 41% maior em comparação com os mesmos meses do ano passado, totalizando 6.675.954 toneladas. Mas, o diretor de Gestão Portuária do Porto, Paulo Coimbra, destaca que o entusiasmo para 2020 diminui porque para manter o desempenho, seria necessário um bom posicionamento do mercado para atuar.

“Suape apresentou o seu melhor primeiro trimestre, uma coisa que víamos com um entusiasmo grande e é claro que não vai manter dessa forma, é algo que depende de aspectos mercadológicos, logística internacional e vamos enfrentar dificuldades em encontrar contêiner, por exemplo. Quando a pandemia se instalou, tivemos uma queda em alguns setores, que ainda não refletiram em números, e algumas decisões de empresas que ainda não é marcante, mas serão”, disse.

Já as cargas de contêiner no Porto, que são mais sensíveis na dinâmica econômica, registraram uma alta de 14% no peso, com 1.420.104 toneladas. O aumento correspondeu a 10% em TEUs (o que equivale a uma unidade com 20 pés), com 121.480 TEUs movimentados em Suape, o que demonstra ainda que Suape conseguiu desempenhar bons números antes da crise se instalar.

Paulo aponta que no Porto a operação segue normalizada, mas cuidados no acesso estão sendo tomados para evitar a contaminação. Um fator que segundo ele pode impactar forte no setor será a paralisação da produção das montadoras de veículos e a diminuição de produção da Petrobras. “Nós tivemos em março um número bom de movimentação de veículos, mas já despencou, tínhamos nos pátios estoque bom, mas as montadoras pararam e vai provocar uma queda. Por outro lado, a Petrobras anunciou de que vão reduzir 9 milhões de barris, é um número significativo. Suape é um porto movimentador de graneis líquidos, isso vai sofrer uma queda seguramente, isso representa 90 dias de operação de uma RNEST”, destacou.

Já no Cone Multimodal a logística ainda funciona em partes. Enquanto parte da operação se mantém de forma ativa e com movimentação até mesmo maior em comparação com período normal e atividades que por conta das medidas protetivas, tiveram a sua atuação também paralisada.

Leia também:
Contra coronavírus, Correios realiza logística levando material de pesquisa a laboratórios 
Coronavírus: ações de frigoríficos na China caem com falta de logística

O diretor de negócios Fernando Perez, destaca que atualmente a situação é de uma normalidade, mas sempre respeitando o que é recomendado como medida de segurança para evitar a proliferação do vírus. “Temos clientes que foram impactados por conta das lojas que foram todas fechadas, e consequentemente os centros de distribuição. Outro impacto são os fornecedores de autopeças da Jeep, as operações pararam. Em contrapartida temos outras operações rodando bem mais que em período normal, e com dificuldades maiores, como empresas voltadas a alimentos, higiene, limpeza, bens de consumo, que aumentaram em 60% a movimentação. Na última semana houve uma flexibilização e estamos conseguindo uma operação não normal, porque precisamos de todos os cuidados possíveis, motoristas de outras regiões, fazemos controle na entrada”, explicou.

Perez, aponta que essa crise pode apresentar ao setor uma nova forma de atuação e a valorização do delivery por parte do consumidor. “Acho que todo momento de crise, sempre traz oportunidades, ganhos de produtividade, de aumento de algum tipo de tecnologia. A interferência na logística é direta, não temos dúvidas que alguns conceitos de operação devem mudar, pontos de concentração, hubs, porque não pode deixar muitas regiões na dependência de um ponto. Isso deve mudar, procedimentos de manuseio de mercadorias, de forma a não proliferar bactérias, fungos, vírus. Para o consumidor final o delivery chegou pra valer, mesmo quem tinha uma resistência, aprendeu a usar”, contou.

Como uma forma de solução para o problema que pode surgir no setor de logística, o diretor de Suape, Paulo Coimbra, ressalta que uma alternativa seria unificar os modais por região para que nenhum meio se prejudique. “A manutenção do meio rodoviário é fundamental para manter um abastecimento tranquilo. Posso não ter marítima, porque movimenta volumes grandes em uma unidade só, mas temos o rodoviário como uma alternativa. Observamos uma redução no meio marítimo e cabotagem em Suape, mas uma alternativa é colocar o marítimo para funcionar e transportar pra cá, onde aqui a gente possa fazer a distribuição, olhar os modais combinados”, apontou.

Fonte: folhape.com.br

Terceirização Logística

Os 4 principais benefícios da Terceirização Logística

A terceirização logística é uma tendência cada vez mais evidente no mercado.

E grande parte disso se deve aos benefícios que essa relação comercial proporciona para empresas e consumidores.

Com a legislação cada vez mais se abrindo para a terceirização, já é possível repassar todas essas operações para empresas especializadas, mesmo que seja preciso contratar mais de um parceiro.

Uma das razões mais importantes que leva os gestores a optar pela terceirização é a falta de preparo para lidar com processos que influenciam diretamente nos resultados da organização. Porém, essa opção pode ser incrivelmente útil, tanto para os gestores já experimentados quanto para os iniciantes.

As companhias brasileiras que escolhem a terceirização logística estão atrás de maior eficiência operacional, reduzindo custos e investimentos em ativos. Neste post falaremos mais sobre ela, sua aplicação e os benefícios que as empresas podem obter com esse serviço.

1. Redução de custos

A redução de custos talvez seja o principal motivo que leva as empresas a optarem pela terceirização logística. Ela se dá por meio da diminuição da folha de pagamento e encargos referentes a elas e pela troca de alguns custos fixos por variáveis. Ou seja, com a gestão terceirizada, o negócio só absorve os gastos referentes ao trabalho realizado.

2. Foco no core business

Uma das grandes vantagens da terceirização logística é que a organização deixa de executar funções que não são primárias ao empreendimento. Isso permite ganhos de tempo e recursos para manter o foco na melhoria de qualidade dos produtos, garantindo diferencial competitivo e maximização dos lucros.

3. Eficiência na entrega e no transporte de cargas

Uma das etapas mais importantes dos processos logísticos é o transporte e entrega dos produtos ao cliente final. Se o cliente é o foco do negócio, a empresa precisa priorizar o atendimento a ele, trabalhando para que as entregas sejam realizadas no menor tempo possível e em excelente estado.

Ao terceirizar esses serviços, a organização delega a responsabilidade da carga a profissionais capacitados, exigindo que eles efetuem o transporte com segurança até o destino final.

Com auxílio da tecnologia, as transportadoras ainda podem localizar a melhor rota para determinadas cargas, reduzindo a probabilidade de atrasos na entrega. Além disso, elas também podem obter melhores preços de fretes, favorecendo os próprios profissionais do transporte.

4. Mais controle dos processos

Como a gestão passa a ser de responsabilidade de um parceiro, o papel do gestor de logística passa a ser mais analítico, comparando os resultados e objetivos que foram definidos. Assim, é possível verificar os motivos que possam ter levado ao não cumprimento das metas, e buscar soluções.

A otimização dos processos logísticos significa economia de tempo e dinheiro, sendo essencial para qualquer organização. Portanto, ao terceirizar a atuação, a marca passa a ter um controle simplificado dos custos e trabalhos envolvidos nas atividades internas e externas.

A terceirização logística pode ser a solução que você precisa para otimizar a sua gestão. Fale com um profissional da Deverhum Consulting para saber como implementar em sua empresa.